Segunda, 08 de Março de 2021
83 986038775
GERAL DESENVOLVIMENTO

Selo Arte abre as portas do Brasil para produtos artesanais sertanejos

Legislação permite a comercialização produtos artesanais de origem animal a todo o país

09/07/2020 01h23 Atualizada há 8 meses
321
Por: SE LIGA SERTÃO
Selo Arte abre as portas do Brasil para produtos artesanais sertanejos

O sertão foi colonizado sob as patas do gado. Esta área de clima travesso, onde a agricultura de sequeiro sempre foi uma loteria ao sabor das chuvas ora abundantes, ora escassas, ora ordenadas, ora bagunçadas, desde o início mostrou-se vocacionada à pecuária. Se a cana de açúcar não se prestava a suportar a insuficiência das águas, o rico e variado pasto natural que a Caatinga ofertava era mais que suficiente para o avanço do gado. Não é sem razão que o rio São Francisco, antes de ser chamado Velho Chico, foi chamado rio dos Currais.

No início, fornecemos carne, leite e couro à civilização dos engenhos, centro econômico do país fundado na base do açúcar. Depois, passamos a fornecer às Minas Gerais, para onde a população do reino de Portugal passou a afluir em quantidades alarmantes, em busca de ouro, diamantes e esmeraldas. Séculos depois, cá estamos, imbuídos da missão de resgatar o vigor da pecuária sertaneja e prosperar o semiárido, mais uma vez, sob as patas do gado.

Noves fora uma necessária modernização das práticas no campo, unindo o tradicional e o inovador na adoção dos métodos mais adequados para lidar com as peculiaridades de nossa terra, também é preciso organizar e estruturar a cadeia produtiva e comercial que leve o produto dos pastos para as mesas dos brasileiros. Isto é, talvez, mais importante que produzir. E, nisso, estamos bastante para trás.

Após muita luta por parte de produtores de todo o Brasil, em 2018 foi aprovada a lei 13.680, que institui do Selo Arte, e regulamentada pelo decreto 9.918, de 2019. Trata-se de uma revolução para o produtor artesanal de alimentos de origem animal. Antes, para comercializar legalmente seu produto, necessitava dos infamemente burocráticos selos de inspeção. Caso quisesse vender para outro estado, era necessário o S.I.F., selo do Serviço de Inspeção Federal. Além da dificuldade hercúlea, os métodos de produção especificados não abarcam a produção artesanal. Era um impasse.

Hoje é possível ao pequeno produtor, familiar, confeccionar seu queijo de coalho, sua carne de sol, conservando sua arte e sua tradição, e vender legalmente em qualquer parte do país, tendo acesso ao grande varejo, assim como às vendas online, sem correr o risco de ser tratado como criminoso pela burocracia estatal. O binômio está completo: há como produzir e há também como vender no sertão.

Nem tudo são flores. Em fevereiro deste ano, a vigilância sanitária do Recife apreendeu queijos do laticínio Grupiara, localizado em Taperoá, na Fazenda Carnaúba, de propriedade da família de Ariano Suassuna. A fazenda é referência na pecuária do sertão seco, e seus queijos de leite de cabra temperados com essências da Caatinga, cujas embalagens são decoradas com referências ao movimento armorial, são premiados nacional e internacionalmente. Os queijos estavam expostos num quiosque no shopping RioMar, junto a vinhos sertanejos e outros produtos regionais.

Joaquim Dantas, responsável pelo laticínio, afirma que o laticínio deu entrada no requerimento ainda em 2018, junto ao governo do estado da Paraíba, no entanto ainda não teve seu pedido de registro deferido. Esperamos que a motivação seja sobrecarga de trabalho por parte dos fiscais. E que, se for o caso, o governo tome providências para agilizar os trabalhos. Afinal, trata-se de uma oportunidade ímpar para que, mais uma vez, através da carne e do leite, cumpramos nossa missão de alimentar nordestinos e brasileiros.

    * O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
    Gustavio Morais
    Sobre Gustavio Morais
    Opiniões e ideias sobre tópicos diversos por Gustavio Morais.
    Patos - PB
    Atualizado às 14h49 - Fonte: Climatempo
    34°
    Poucas nuvens

    Mín. 22° Máx. 35°

    32° Sensação
    15.8 km/h Vento
    24.6% Umidade do ar
    0% (0mm) Chance de chuva
    Amanhã (09/03)
    Madrugada
    Manhã
    Tarde
    Noite

    Mín. 24° Máx. 34°

    Sol com algumas nuvens
    Quarta (10/03)
    Madrugada
    Manhã
    Tarde
    Noite

    Mín. 24° Máx. 34°

    Sol e Chuva
    Ele1 - Criar site de notícias